Por que importar mais no modo aéreo que no marítimo consolidado.

by Cheap2ship

*Caso seja novo no Comex: Marítimo Consolidado é o embarque que reservamos uma parte do container e dividimos o resto dele com outros clientes, conhecido pela sigla LCL (Less Than Container Load).

Já estou há 10 minutos pensando numa introdução para me explicar sobre LCL e aéreo, mas só me vem aquelas ideias sonolentas como: O comércio exterior está em constante buZZZzzzZZZca de redução custos, nosso atual cenário exige conseguirmoZZZzzzZZZmais do que nunca, para continuarmos competitivozzzZZZzzz nessa atual crise.

Que chato, já bastou minha monografia para escrever desse jeito.

Quero dar uma dica simples, nada muito inovador, mas que a maioria dos novatos na área demoram para se dar conta, normalmente porque o professor de logística te ensinou rasamente que o embarque aéreo é o mais caro, porém mais rápido.

A vá!

E raso é muito pouco para a logística, temos que eliminar esse paradigma que embarcar aéreo é apenas para carga urgente e analisar a fundo para encontrar mais reduções e vantagens, comecemos pelas conhecidas.

Velocidade

Bastante óbvio, a única vez que vi um embarque aéreo ser mais lento que o marítimo, foi quando parametrizou em canal amarelo durante a greve da Receita Federal, dependendo da localização geográfica do exportador e importador, o rodoviário consegue ser mais rápido, mas ele não supera a…

Segurança

… Do aéreo, simples, quanto menos tempo a mercadoria se submete a viagens, menor a chance de sofrer um acidente, além de ser a opção de viagem mais segura. Esqueça os acidentes aéreos que lhe veio à cabeça, tem ideia de quantos aviões estão voando no mundo nesse exato momento?

Tem um Estados Unidos abaixo desse enxame – Flight Tracker

E como ele possui todas estas características seguras, o próprio custo do seguro reduz, e não conclua ser pouco, há muito produto custando facilmente mais de 1 milhão de reais que não supera 50 quilos, então qualquer 0,01% economizado na cotação do seguro, será bem-vindo. Mas a economia não para com sua seguradora, é preciso lembrar que

O custo aeroportuário é menor que o portuário

Portos não gostam de container LCL, ele demanda mais tempo de armazenagem, mais homem/hora e maquinário para desovar e separar a mercadoria de cada cliente, porto quer ver container entrando e saindo do terminal, se dependesse dos portos, nem canal vermelho existia.

E o que os motiva aceitar um container trabalhoso? Cobrar caro, muito caro, a NF do porto vem com uma criativa lista de serviço: Carregamento, descarregamento, manuseio, handlingpicking, whathevering, separação, carregamento mecanizado… pior se for carga perigosa, a armazenagem no mínimo duplicará de valor, aumentam até o custo da Taxa Administrativa.

É simples, se os custos de porto e aeroporto variam tanto, por que não os incluir para definir como embarcar? Este é um dos mais fortes fatores a considerar, mas há outros, embarcando aéreo, o…

Risco da Mercadoria

…também é menor, eu falei da segurança acima, mas me limitei a comentar do veículo. Por experiência própria no aéreo, os poucos casos de dano que presenciei, foram causados pela precária embalagem que o exportador utilizou e nunca tive problema de furto/perdimento de mercadoria, isso é consequência da…

Logística (além do frete) ser mais rápida,

…pois não é preciso aguardar o container encher de mercadoria, aguardar o navio embarcar depois 1 ou 2 semanas, o longo tempo de viagem, mais o tempo no porto de destino para desovar, separar e finalmente iniciar a nacionalização. Todos os trâmites no aeroporto costumam ser mais rápido, principalmente o carregamento e o…

Despacho Aduaneiro

…tanto na importação no Brasil como a exportação no país de origem, também é comum os despachantes aduaneiros cobrarem menos para realizar importações aéreas, o trabalho de conseguir anuência para cargas especiais ainda é igual, mas os demais trâmites exigem menos tempo de trabalho.

Já registrei muita Declaração de Importação, não digo isso sem experiência.

 Beleza, vamos aos cálculos.

Eu não, você vai.

Mas lhe conto o que eu e minha equipe realizamos: analisamos o perfil de mercadoria que mais importávamos no LCL (principalmente peso, dimensões e valor), renegociamos e alinhamos a operação com os prestadores de serviço, verificamos minuciosamente a performance logística e viabilidade de cada.

Chegamos à conclusão que, importações com peso bruto de até 300Kg (num limite de específico de valor), quase certo que virá voando.

Entenda que as vantagens e o trabalho acima que realizamos, funcionam no segmento naval que atuo, que possuem pouquíssimas importações que demandam anuência e também levam em consideração a posição geográfica. Nós encontramos esse perfil de mercadoria que favorece ao embarque aéreo, encontre o seu para também se beneficiar.

Publicação em parceria com:

Jonas Vieira

https://www.linkedin.com/in/jonasvieira/

Jonas Vieira

Quem é o Jonas?

É um cara formado em comércio exterior, que trabalha há mais de dez anos com importação, compras e logística internacional, e continua apaixonado pela falta de rotina que essa vida tem! Agora ele quer dividir essa experiência com todos, de forma simples e bem humorada.