UM NOVO CENÁRIO PARA SETEMBRO AMARELO

Todos os anos acontece a Campanha Brasileira de Prevenção ao Suicídio: o Setembro Amarelo, mas especialmente esse ano, a perspectiva dessa campanha é diferente e é preciso falar sobre saúde mental. Estamos vivendo um período de isolamento e mesmo algumas pessoas tendo voltado a suas rotinas trabalhistas, a muitos escritórios seguem na perspectiva de trabalho remoto.

Em poucos meses vivenciando uma pandemia histórica, todas as áreas das nossas vidas foram afetas: o cuidado com a saúde física, família, trabalho, vida social e saúde mental. Tudo isso nos trouxe a exigência de um rápido ajuste ao que estávamos habituados a fazer no dia a dia. Para aqueles que levavam uma rotina diária, deixando seus filhos na escola e seguiam para seu emprego, tudo mudou! Agora os pais precisam ser mais ativos na educação escolar dos filhos. Além disso, a insegurança com relação ao trabalho aumentou: demissões, redução salarial, carga horária e diversas adaptações trouxeram inúmeras incertezas.

As reuniões presenciais, agora seguem no formato de vídeo chamada. Manter uma comunicação com seu time exige um pouco mais de esforço do que ter uma conversa presencial e tantas outras adaptações que mexem com a nossa saúde mental. Dentro dessa nova realidade onde a maioria das empresas estão se ajustando ao home office, o assunto saúde mental no trabalho não está perdido. Ao contrário, nunca houve tanta urgência por essa temática.

UMA REDE DE APOIO

Segundo Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor-Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), “o impacto da pandemia na saúde mental das pessoas já é extremamente preocupante “. Se os dados relacionados a depressão, ansiedade bem como suicídio já eram alarmantes antes da pandemia, quem dirá agora. Por isso, a data já antes conhecida como Setembro Amarelo e mais precisamente ainda o dia 10 de setembro, conhecido como Dia da Prevenção ao Suicídio precisa ainda mais de apoio. A saúde mental no trabalho é extremamente importante.

Os tempos são emergentes, mas o ajustamento é natural e necessário. Além da data do dia 10 de setembro, no dia 23 desse mês é lembrado como o Dia Mundial do Combate ao Estresse. É significativo pois, com todos os desdobramentos que essa pandemia nos trouxe, surgem inúmeros medos, insegurança e dúvidas, abrindo espaço para prejuízos ainda maiores na saúde mental dos trabalhadores.

É importante compreender que a saúde mental está integrada com todos os aspectos das nossas vidas. O estresse como um fenômeno inato, relacionado ao atual cenário do mundo, pode afetar a saúde de forma geral.
Não sabemos ainda o desfecho desse panorama atual. Mas, não precisamos terminar para refletir e fazer algo a respeito da nossa saúde emocional. Nem precisamos passar por isso sozinhos.

Promover ações de acolhimento, escuta e acompanhamento do trabalhador já é uma forma de prevenção ao próprio suicídio, pois a única forma de saber se o trabalhador possui uma rede de apoio e necessita de encaminhamentos externos, é abrir espaço para o diálogo.

Aprender a identificar os próprios sentimentos e pedir ajuda é agir a favor da nossa própria saúde mental, mas também disponibilizar um espaço acolhedor para que o outro lado possa se sentir confortável. O momento requer empatia e solidariedade. Isso não depende exclusivamente de profissionais da saúde, mas de todos.

Confira aqui ações que podem ajudar a melhorar nossa saúde.

Saude mental na pandemia