Muita gente acha que contratar fretes internacionais é a mesma coisa que entrar em um site como o Correios. Simplesmente o valor estará lá com todos os custos envolvidos somados e já convertidos na moeda do país. Ou então, acredita plenamente que o mais importante no frete internacional, unicamente e exclusivamente o custo do frete em si, sem se importar com as taxas que existem por trás. O que essas pessoas não sabem, é que existem diversas formas de ser passada para trás. Seja no custo do frete, taxas, spread bancário, fretes inexistentes dentre outras formas.

Atualmente um frete marítimo é composto por pelo menos mais 6 taxas e no aéreo muitas vezes podem chegar a 8 taxas diferentes. Além das taxas, existem outras variáveis como spread bancário, free time, demurrage entre outras que podem gerar custos extras se não forem bem negociadas.

Leia também: Demurrage de conteiner – como evitar

Por esse motivo é que hoje vamos passar algumas das pegadinhas mais comuns nesse mundo da negociação de fretes:

1. Taxas que não existem

Quem nunca se deparou com taxas como handling, taxa operacional, taxa de elevação de alguma coisa, taxa de reparação entre outros nomes. Até com siglas como ODP, EDR, ABC e que sempre geram dúvidas ou não se sabe do que se trata. Normalmente, muitas dessas taxas não existem, são apenas formas de cobrar valores adicionais para que o profit do prestador de serviço possa aumentar. Nesse caso, é necessário sempre ter muita atenção no que realmente é uma taxa existente e o que se trata taxas com nomes estranhos. Sempre que tiver alguma dúvida sobre o nome daquela taxa não tenha vergonha. Questione ao seu prestador de serviço, ele precisa te esclarecer do que se trata e para quem ela será paga.

2. Spread bancário

Muitas empresas não se atentam nessa taxa, e ao fechar frete olham apenas o valor do frete como um todo sem se lembrar que o spread bancário é tão importante quanto o valor total. Aqui uma informação de ouro: normalmente o spread cobrado pelo armadores é de 2 a 4%, mas em alguns casos quando um fornecedor quer dar uma de ‘espertinho’. Há casos onde o spread cobrado pode chegar a incríveis 9%, ou seja, uma margem de 6% que virou profit ou compensou o fato dele ter vendido um frete mais barato. Se seu fornecedor aplicou alguma vez um taxa do gênero com você de forma tão elevada cuidado, analise com cautela se esse fornecedor realmente merece sua confiança.

3. Valor do frete nas taxas

Outra pegadinha que muitas empresas ainda caem na hora de contratar fretes, é achar que o frete é o fator que vai definir que ele vai pagar o menor custo sem ter em mente que boa parte dos custos dele estará nas taxas. Hoje em dia os profissionais já estão mais atentos a esse tipo de pegadinha. Porém ainda assim, muitas empresa acabam por fechar fretes sem levar em consideração as taxas e o que cada uma delas quer dizer. Em muitos casos, o valor do frete é o melhor, mas uma taxa ‘extra’ de handling torna o frete em questão mais caro do que os concorrentes. Por isso, some tudo que lhe foi enviado em cada moeda. Encontre o melhor custo considerando todas as possíveis variáveis.

4. Free time / Demurrage

Uma das pegadinha na hora de contratar fretes que as empresas mais caem é no free time e demurrage. Nesse caso, é uma das pegadinhas mais comuns de mercado e que geram custos extras para as empresas em valores muitas vezes difíceis de digerir. Para se ter uma ideia de como essa taxa é colocada. Abaixo temos um exemplo em um frete marítimo:

Frete Fornecedor 1 : USD 1700,00 – FREE TIME: 15 DIAS

Frete Fornecedor 2 : USD 1500,00 – FREE TIME: 3 DIAS

Aqui o melhor frete foi de USD 1500,00, ou seja, o mais barato, porém note que o free time dado por esse fornecedor é de apenas 3 dias. Isso quer dizer que quando esse contêiner chegar no destino, o cliente vai ter apenas 3 dias para desembaraçar a carga, levar até sua empresa e devolver o contêiner, algo que normalmente leva em torno de 10 a 15 dias, dependendo do caso. Considerando que esse contêiner seja devolvido em 15 dias o cliente terá que pagar 12 dias de demurrage, sendo que em média cada dia de atraso gera o valor de USD 80,00 a USD 120,00. Assim, o frete que até então era o mais barato acaba de se tornar mais caro ficando pelo menos mais USD 200,00 a USD 700,00 extras.

5. Frete inexistente

Essa pegadinha é bem comum também. Você analisa vários fretes e de repente aparece um frete muitas vezes 20% mais em conta e que chama sua atenção. Ao fechar tudo parece certo e o fornecedor envia dados de booking e tudo mais, porém logo começa a pegadinha. Quando você pensa que fez um bom negócio, o fornecedor te retorna alguns dias antes do seu embarque e informa que devido a falta de espaço o seu contêiner não vai embarcar. Porém se você aceitar um valor de frete muitas vezes até 30% mais caro do que você tinha recebido anteriormente é possível que ele consiga fazer alguma coisa e embarcar aquela carga. Sendo assim, aqui o fornecedor fez uma oferta melhor. Já sabendo que não conseguiria embarcar naquelas condições, para que posteriormente, próximo ao embarque e sabendo que você necessita daquela carga. Ele te passa os reais valores e então você acaba tendo maior prejuízo.

Leia também: Como os custos Brasil encarecem as importações

Por isso ao contratar fretes, o recomendado, é sempre trabalhar com fornecedores de confiança. São poucas empresas que praticam essas pegadinhas, mas ainda acontece no mercado. Fique sempre atento e avalie regularmente seus fornecedores de confiança. É essencial criar uma carteira de fornecedores que entendam seu perfil e possam levar soluções que realmente vão atender sua necessidade.