Independente do momento em que estamos, sempre está presente a incerteza e com a incerteza nas empresas, vêm os cortes de gastos. Esse termo traduz de forma mais afável situações de medo, imprecisão, rescisão, crise, colapso e demais substantivos que compartilham as consequências de determinados fatos, decisões ou acontecimentos. Podemos citar, hoje, a implicação do Covid-19 nos mais variados nichos do mercado. O impacto gerado se dissolveu em cima de setores específicos, mas surtindo consequências em forma de um efeito dominó. Como solução para essa estagnação comercial e econômica entra em cena a inovação, principalmente aquelas que impactam a cadeia de suprimentos.  

Quais são as causas e os impactos

Eventos em grande parte são definidos por suas consequências, ou seja, a decorrência de fatores econômicos, sociais e políticos que sucedem o acontecimento. Crises de saúde, como é o caso do Coronavírus, crises ambientais como terremotos, furacões, tsunamis, crises financeiras, crises migratórias ou quaisquer outras que seja, mostram seu reflexo em escala global. Geralmente a partir de um ponto de entrada, que se define por sua importância em alguma área específica, como exemplo podemos citar o início da pandemia do Covid-19 a partir de um dos mais importantes centros financeiros da China e do mundo. A cidade de Wuhan, que devido ao enorme fluxo de pessoas, dos mais variados pontos de origem e destino, possibilitou a disseminação do vírus. 

O ponto principal é o entendimento desses fatores, que quando agregados mostram as mais diversas possibilidades. Tendo em mente o caso de Wuhan e considerando o grande centro financeiro que é hoje. A partir de uma breve análise é possível identificar, no mínimo, suas consequências financeiras na região, porém em decorrência da maior contaminação do vírus fica mais perceptível seu reflexo em diversos fatores, como é o caso da produtividade na região, redução da frequência de entrega de mercadorias, menor fluxo de pessoas e até mesmo redução de voos para a região. Seguindo essa corrente podemos perceber que quase todas áreas acabam sendo afetadas de alguma forma. Esse ponto de vista, acerca da situação, possibilita um melhor preparo para as consequências subsequentes. Definir a causa de um impacto em escala global se mostra altamente complexo ainda mais devido ao fato de a maioria deles ser imprevisível, sendo assim a melhor maneira de se prevenir, é buscar sempre as informações mais confiáveis e analisá-las de forma coerente, podendo assim, no pior dos casos estar preparado. 

Leia também: Coronavírus e o comércio exterior

Inovação como forma de prevenção

Enquanto uns choram, outros vendem lenço. Inovar geralmente é sinônimo de bem estar, é comum que empresas busquem inovação quando estão na melhor situação possível e não quando encontram alguma dificuldade ou até mesmo acabam sentindo-se impactadas por algum fator proveniente de alguma situação global. Inovação nem sempre remete a grandes investimentos, por vezes pode remeter a grandes economias e uma escolha adequada no momento adequado. E esse momento, pode ser exatamente durante uma crise. 

Hoje com o preço do dólar batendo 5 reais e com o mercado internacional sobrecarregado em decorrência dos mais diversos fatores, o mercado logístico e principalmente a área de negociação e contratação de fretes entrou numa retração subta de volume, gerando muitas oportunidades em preço e em cortes de gastos. Seria prudente então, não apenas apostar em inovação nos bons momentos e sim nos piores momentos, achando soluções práticas e diferenciadas do mercado para se destacar em tempos de crise e não ser apenas mais uma empresa atrelada a cortes de gastos sem inteligência. Hoje, a diferenciação é pensar diferente e a inovação acaba por ser uma forma de prevenção nesses períodos de recesso econômico.